Somos

Nenhuma impressão escrita substitui a veracidade da audição 
de um disco. Neste caso, bem menos. O leitor, pré (ou pós) ouvinte, ao se deixar levar pelas sutilezas melódicas e poéticas deste segundo trabalho de Paulo Vinicius, irá perceber que este espaço é minúsculo diante das palavras amplas que poderiam ser chanceladas para ressaltar os aspectos envolventes das dez faixas que compõem “Somos”.

A liquidificação de talentos, promovida pelo intérprete, reunindo a nata de “anônimos” e notórios músicos e compositores nordestinos, produz um amálgama de rara textura conceitual. A soma criativa desses entes sonoros, guiados pela voz possante e segura de PV, gerou um disco perene, como um rio de sonhos em meio à planície de acomodadas virtudes alheias.

Quando Paulo Vinicius lançou “Outubro”, numa homenagem explícita a Zé Ramalho, houve quem identificasse perigosas semelhanças vocais do pupilo com o mestre, induzindo alguns ao desvio de sensações e foco analítico.

Agora, Paulo mostra que não é clone de Zé, como Chico César nunca foi cover de Caetano. Todos seguem, personalíssimos, a escola da boa música popular brasileira, sem pudor de acertar nas somas feitas. “Somos” somos nós depois de ouvi-lo sem amarras. Um fragmento atômico do universo musical contemporâneo, para durar até quando não formos mais isso que pensamos ser. 

Aqui está o sumo de doces frutos plantados em chão fértil, regados a suor e orvalho, colhidos em tempo certo. É só degustar pra ver. É só ouvir.


 


Fernando Moura


Jornalista e pesquisador musical.

01 - À Deriva

Paulo Vinícius e Dida Fialho

OH MEU AMOR,
QUE PENA SE VOCÊ CHEGAR DEPOIS QUE EU PARTIR
O MEU CORAÇÃO SABE SER SÓ COMO UM ESQUIMÓ
O MEU CORAÇÃO SABE SER SÓ COMO UM ESQUIMÓ
MAS NÃO TEM PELE DE FAQUIR
PORISSO LOVE ME, LEVE ME, SENÃO MEU BEM….
LAVE DAQUI!
CONVERSO EM VERSO E ADORO BADI
QUE CANTA TOCA DANÇA E ASSOBIA NUM SÓ TEMPO
CADA SENTIDO FAZ O SEU MOMENTO
MAS NÃO HÁ PORTO SEGURO,
BARLAVENTO OU SOTAVENTO
NEM HÁ VELA QUE CONDUZA
A ROTA DO CONFUSO NAVEGAR
DE UM VELEIRO QUE NEM SABE DO CAIS
QUE VAI ANCORAR
DE UM VELEIRO QUE NEM SABE DO CAIS
QUE VAI ANCORAR…..
OH MEU AMOR….
OH MEU AMOR…
OH MEU AMOR…
OH MEU AMOR…
OH MEU AMOR…

02 - La Corrida

Francis Cabrel


DEPUIS LE TEMPS QUE JE PATIENTE
DANS CETTE CHAMBRE NOIRE
J’ENTENDS QU’ON S’AMUSE ET QU’ON CHANTE
AU BOUT DU COULOIR ;
QUELQU’UN A TOUCHÉ LE VERROU
ET J’AI PLONGÉ VERS LE GRAND JOUR
J’AI VU LES FANFARES, LES BARRIÈRES
ET LES GENS AUTOUR

DANS LES PREMIERS MOMENTS J’AI CRU
QU’IL FALLAIT SEULEMENT SE DÉFENDRE
MAIS CETTE PLACE EST SANS ISSUE
JE COMMENCE À COMPRENDRE
ILS ONT REFERMÉ DERRIÈRE MOI
ILS ONT EU PEUR QUE JE RECULE
JE VAIS BIEN FINIR PAR L’AVOIR
CETTE DANSEUSE RIDICULE…

EST-CE QUE CE MONDE EST SÉRIEUX ?
EST-CE QUE CE MONDE EST SÉRIEUX ?
ANDALOUSIE JE ME SOUVIENS
LES PRAIRIES BORDÉES DE CACTUS
JE NE VAIS PAS TREMBLER DEVANT
CE PANTIN, CE MINUS !
JE VAIS L’ATTRAPER, LUI ET SON CHAPEAU
LES FAIRE TOURNER COMME UN SOLEIL

CE SOIR LA FEMME DU TORERO
DORMIRA SUR SES DEUX OREILLES
EST-CE QUE CE MONDE EST SÉRIEUX ?
EST-CE QUE CE MONDE EST SÉRIEUX ?
J’EN AI POURSUIVI DES FANTÔMES
PRESQUE TOUCHÉ LEURS BALLERINES
ILS ONT FRAPPÉ FORT DANS MON COU
POUR QUE JE M’INCLINE

ILS SORTENT D’OÙ CES ACROBATES
AVEC LEURS COSTUMES DE PAPIER ?
J’AI JAMAIS APPRIS À ME BATTRE
CONTRE DES POUPÉES
SENTIR LE SABLE SOUS MA TÊTE
C’EST FOU COMME ÇA PEUT FAIRE DU BIEN
J’AI PRIÉ POUR QUE S’ARRÊTE
ANDALOUSIE JE ME SOUVIENS

JE LES ENTENDS RIRE COMME JE RÂLE
JE LES VOIS DANSER COMME JE SUCCOMBE
JE PENSAIS PAS QU’ON PUISSE AUTANT
S’AMUSER AUTOUR D’UNE TOMBE
EST-CE QUE CE MONDE EST SÉRIEUX ?
EST-CE QUE CE MONDE EST SÉRIEUX ?

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: A TOURADA
(PAULO VINÍCIUS E WILKA VIDAL)

DESDE QUE ESTOU AQUI A ESPERA
COMO FERA NESTA CELA ESCURA,
OUÇO OS RISOS DOS MEUS ALGOZES
E NO FINAL DO CORREDOR
O CANTO DAS SUAS VOZES
ALGUÉM PUXARÁ O FERROLHO
E EU AVANÇO PARA O GRANDE DIA
EM MEIO ÀS FANFARRAS E NAS PESSOAS MIRO NO OLHO
A INSENSATA EUFORIA
NOS PRIMEIROS MOMENTOS AINDA PENSEI
FOSSE BASTANTE ME DEFENDER
MAS NÃO HÁ SAÍDA EU ME ENGANEI
SÓ ENTÃO COMEÇO A COMPREENDEER.
OS PORTÕES SE FECHARAM AO MEU DESTINO
ELES TEMEM QUE EU RECUE
MAS VOU ACABAR POR ATINGIR
ESTE RIDÍCULO DANÇARINO.
E ESTA NOITE A ESPOSA DO CARRASCO
DORMIRÁ SOBRE SUAS DUAS ORELHAS
ESTE NÃO É UM MUNDO SÉRIO!

03 - Delícias do Veneno

Hugo Leão

OS COMETAS NÃO BRILHAM COMO ANTES
EM PEDAÇOS DA MENTE ENLOUQUECIDA
NA TERRA ABREM-SE AS FERIDAS
QUE O TEM PO NÃO VAI CICATRIZAR
NEM A IRA MAIOR DO FIRMAMENTO
TEM A FORÇA DIVINA DO SABER
MIL SEGREDOS FALSEANDO EM CADA PÉ
IMPUREZAS EM VESTES CAMUFLADAS
COMO TOLOS QUE SOBEM AO PEDESTAL
SINFONIAS DE UM SO CARNAVAL
EMPILHADAS NUM MONTE OBSCENO
REFLETINDO AS DELÍCIAS DO VENENO

04 - Gosto do Amor

Gonzaguinha

CURIOSA PRA DANAR
FUI CHEGANDO NO FORRÓ
SÓ VI GENTE EMPAREADA
PARECENDO ATÉ UM NÓ
TODO MUNDO COLADINHO
NO ESCURO DO SALÃO
NO PICADO MIUDINHO
SEM QUERER SAIR MAIS NÃO
DAS MENINAS AI E UI
DOS RAPAZES UI E AI
E DAS VEIA DIGA DEUS
PORQUE QUE EU JÁ NÃO POSSO MAIS
XOTE, ROCK, FOXTROTE
UM BEIJINHO NO CANGOTE
TOME XOTE, MUITO XOTE
TÔ QUERENDO É PROVAR
MÃE FALOU PRA EU TER CUIDADO
PAI FALOU É TENTAÇÃO
MÃE FALOU NÃO VÁ NA DANÇA
PAI FALOU É PERDIÇÃO
MÃE FALOU ISSO É PECADO
PAI FALOU FAÇ’ISSO NÃO
MÃE FALOU RUIM PRA DIABO
PAI FALOU ATÉ QUE É BÃO
MÃE GRITOU ISSO VICIA E ESSE VÍCIO SÓ TRAZ DOR
PAI FALOU DE DOR SE CHEGA AO CÉU,
É O GOSTO DO AMOR
AI, MÃE, QUE VONTADE DE GRITAR
AI, MÃE, QUE VONTADE DE DANÇAR
AGARRADINHA NESSE NEGO EU VOU ME EMBORA
AINDA TO NA DOR E TO QUERENDO ME ACABAR
IMAGINA QUANDO EU CHEGAR NO CÉU
AÍ MESMO É QUE EU VOU GOSTAR

05 - Xote do Buraco

Paulo Vinícius e Jarbas Mariz

NEM TODA DAMA É RAINHA
NEM TODA CHUVA É DO CÉU
NEM TODA ZONA É BORDEL
NEM TODO BISPO É SARDINHA

NEM TODO PÓ É FARINHA
NEM TODA PEDRA É PEDREIRA
NEM TODA SANTA FOI FREIRA
NEM TODO FUMO É TABACO
MAS EM REDOR DO BURACO
NÃO TEM JEITO, TUDO É BEIRA

NEM TODO ESCRITO É POEMA
NEM TODO COLEGA É AMIGO
NEM TODA CURVA É PERIGO
NEM TODA ALIANÇA É ALGEMA

NEM TODA BANDEIRA TEM LEMA
NEM TODO PAU É MADEIRA
NEM TODO FOGO É FOGUEIRA
NEM TODO VÉIO É VEIÁCO
MAS EM REDOR DO BURACO
NÃO TEM JEITO, TUDO É BEIRA

NEM TODO VÍCIO É PECADO
NEM TODO NÓ É PROBLEMA
NEM TODO OVO TEM GEMA
NEM TODO EUNUCO É CAPADO

NEM TODO MUDO É CALADO
NEM TODO ROCK É PAULEIRA
NEM TODO PINGO É PINGUEIRA
NEM TODO MICO É MACACO
MAS EM REDOR DO BURACO
NÃO TEM JEITO, TUDO É BEIRA

NEM TODO RÉU É CONFESSO
NEM TODA COBRA TEM NINHO
NEM TODA ESTRADA É CAMINHO
NEM TODA VOLTA É REGRESSO

NEM TODA FAMA É SUCESSO
NEM TODA RAMA É RAMEIRA
NEM TODO DIA É DE FEIRA
NEM TODO RUSSO É COSSACO
MAS EM REDOR DO BURACO
NÃO TEM JEITO, É TUDO BEIRA

06 - Zé Lemeireando

Beto Brito e Orlando Tejo

FOI NUM FOI EU TO PENSANDO, ZÉ LIMEIRA ASSIM FALOU
SEGREDO DE MINHA MALA, MEU CAVALO CORREDOR
QUEM SABE O QUE SOU SOU EU, SOU EU QUEM SABE O QUE SOU
TANTO FAZ DAR NA CABEÇA, COMO NA CABEÇA DAR
TANTO FAZ DAQUI PRA ALI, COMO DALI PRA ACOLÁ
QUANDO PEGO NA VIOLA, É DA TAMPA PIPOCAR
BOM CAPITÃO DE NAVIO, NAPOLEÃO ERA UM
VI UM CASAL DE SIRI, SEM COMPROMISSO NENHUM
FELIZ DA MESA QUEM TEM, COSTELA DE GOIAMUM
PERDIDO EM ALTO MAR, A SAUDADE É UM BARQUINHO
NO DIA QUE EU ME ZANGAR, MATO VOCÊ DE CARINHO
DOU UMA PISA DE AMOR QUE VOCÊ ERRA O CAMINHO
OI ZÉ LIMEIRA DAQUI, OI ZÉ LIMEIRA DE LÁ
OI ZÉ LIMEIRA DAQUI VAMOS ZÉ LIMEIREAR

PRODOLOGICADAMENTE NÃO VOU ME ABESTALHAR
EU TOCO TODA SEMANA, VIOLA, BANJO E GANZÁ
D. PEDRO FICOU DE COCA NO SERTÃO DE BOGOTÁ
E NÃO TEM COISA MAIS BONITA DO QUE A CARA DA LUA
UMA MULHER PASSEANDO PELA CALÇADA DA RUA
BEM FORMOSA, BEM TAIADA COM AS PERNA QUAGE NUA
GETÚLIO VARGAS MORREU, FOI COM SAUDADE DA ESPOSA
LAMPIÃO AINDA TA VIVO, MORANDO PERTO DE SOUSA
POR DETRÁS DO SETE ESTRELO TEM UM CASAL DE RAPOSA
HOMEM MACHO CABELUDO VOCÊ VAI VER EM CAMPINA
MULHER DAS CALÇA TÃO FINA, QUE DÁ PRA VER O VELUDO
QUANDO VOU COMER UM PEBA, COMO COM CASCA E TUDO
OI ZÉ LIMEIRA DAQUI, OI ZÉ LIMEIRA DE LÁ
OI ZÉ LIMEIRA DAQUI VAMOS ZÉ LIMEIREAR

E LA VINHA TRINTA MACACO COM TRÊS ARROBA DE PÃO
SÃO TOMAZ FERRANDO BODE NAS ENCOSTAS O SERTÃO
QUE PEGOU POR ARRELIA NO MOCOTÓ DE SANSÃO
EU NÃO SEI FAZER UM DOC, MAS SEI QUANDO ELE TA BOM
BOCA DE MULHER BONITA NÃO PRECISA DE BATOM
JUNTO COM PEDRO II, TOQUEI VIOLA E PISTON
EU SOU CORISCO PASTANDO NO VÉU DA PILOGAMIA
PELEI TRINTA PAPAGAIO NO VERGEL DA VENTANIA
A JIA LAMBEMDO O SAPO E O SAPO ENRABANDO A JIA
FUÁ DE FORROBODÓ TOCADO NUM REALEJO
QUERO A MÃO ESSA MULATA QUE É PRA MOSTRAR MEU TRAQUEJO
QUEM QUISER ANDAR PRA TRÁS TOME CHÁ DE CARANGUEJO
OI ZÉ LIMEIRA DAQUI, OI ZÉ LIMEIRA DE LÁ
OI ZÉ LIMEIRA DAQUI VAMOS ZÉ LIMEIREAR

07 - Miragens

Geraldo Azevedo e Zé Ramalho

BEM QUERER VEM QUERER-ME
AS ONDAS AS MIRAGENS
O FOGO QUE NÃO INCENDEIA
A IMAGEM MAIS BONITA
A ENTREGA DA EMOÇÃO
OS AMORES PULSANDO DE NOVO

A INCRÍVEL MARAVILHA
DA ESTRELA DO VERÃO
SUSPENDENDO A PONTE DO MANTO DA NOITE

ESPIRAL DO SILÊNCIO
CRISTALINA A VISÃO
CLAREANDO A FONTE DO SONHO DO POVO

EM VEZ DE EMUDECER PODERIA CANTAR
A MAIS LINDA CANÇÃO SEM LAMENTO
E QUEM NÃO ESCUTAR PERDERIA TALVEZ
A MAIOR METADE DO TEMPO DO SONHO

08 - Canoeiro

Geraldo Moura


CANOEIRO QUANDO VAI PRO MAR
ELE TEM QUE REMAR, ELE TEM QUE REMAR,
ELE TEM QUE REMAR
PRA LEVAR A FAMÍLIA PRO LADO DE LÁ
ELE TEM QUE REMAR, ELE TEM QUE REMAR,
ELE TEM QUE REMAR

O MAR NÃO TA PRA PEIXE
CORRENTEZAS QUE FAZEM LHE DESESPERAR
CALAR NÃO É A SAÍDA, SILENCIAR É CONCORDAR
CANOEIRO PROSSEGUE A BATIDA
DOS GOLPES DO REMO NA ÁGUA DO MAR

CANOEIRO QUANDO VAI PRO MAR
ELE TEM QUE REMAR, ELE TEM QUE REMAR,
ELE TEM QUE REMAR,
PRA BEIJAR A MULHER QUE ELE DESEJA AMAR
ELE TEM QUE REMAR ELE TEM QUE REMAR,
ELE TEM QUE REMAR

NA FORÇA DO VENTO
ESPERANÇA LHE INVADE ARREBOL DO LUAR
CANOEIRO VISLUMBRA O SONHO
DA BARCA QUE BAILA NAS ONDAS DO MAR,
O GRITO DE LIBERDADE
É A CANTIGA DE UM POVO QUE VIVE A REMAR
CANOEIRO QUANDO VAI PRO MAR
ELE TEM QUE REMAR, ELE TEM QUE REMAR,
ELE TEM QUE REMAR

09 - Sereia Yemanjá

Fúba

SEREIA YEMANJÁ (FÚBA)
NAVEGUEI NOS MARES DA VIDA
PROCURANDO A TI ENCONTRAR
CONTEMPLEI A BARCA À DERIVA
NO SILÊNCIO DAS ONDAS DO MAR
AS ESPUMAS BRANCAS NA AREIA
BORDEJAVAM O MEU NAVEGAR
QUANDO PUDE ENFIM TE ENCONTRAR
NAVEGUEI NOS MARES CANTEI
EU TAMBÉM SOU FILHO DE YEMANJÁ

QUANTOS MARES EM NOSSAS VIDAS
QUANTAS IDAS E VINDAS SONHEI
QUANTAS VOLTAS QUANTAS PARTIDAS
QUANTOS PORTOS TAMBÉM ATRAQUEI
TEMPESTADES TAMBÉM PASSEI
UM MARUJO TEM QUE SE SAFAR
CONHECER OS MISTÉRIOS DO MAR
NAVEGUEI NOS MARES CANTEI
EU TAMBÉM SOU FILHO DE YEMANJÁ

QUANDO O TEMPO ME COBRIR OS CÉUS
COM A ANÁGUA SUJA DA TUA ESPERA
E TEUS LÁBIOS FOREM DUAS MARGENS
UM GRITANDO CALMARIA,
OUTRO CLAMANDO TEMPESTADE
EU VOLTAREI DE CORPO E BARCO, VOLTAREI
E POR TI SEGUIREI MINHA VIAGEM
NAVEGAREI ENTRE TEUS BRAÇOS E SEGREDOS
SEREI TEU BÚZIO TU SERÁS O MEU DEGREDO

E ESSE BARCO QUE HOJE NAVEGA
SÓ SOSSEGA QUANDO ELE ANCORAR
NUM ABRAÇO DE UMA SEREIA
NO SORRISO DA ESTRELA DO MAR
NO BALANÇO DA MARÉ CHEIA
NO CALOR DA VERTIGEM SOLAR
NA LEVEZA DA LUZ DO LUAR
NAVEGUEI NO MAR ME CRIEI
EU TAMBÉM SOU FILHO DE YEMANJÁ

10 - Blues para Calhetas

Paulo Vinícius e Betinho Muniz

CAMINHEI POR MUITOS LUGARES
E VI TANTOS LARES SEM ALMA E
OUTRAS TANTAS ALMAS SEM LAR
CONTEMPLEI A FINGIDA CALMA
DOS RIOS E SEUS ALEGRES
ENCONTROS COM A FURIA DO MAR
VIAJEI NA ESTRELA DO POETA,
E NO NASCER DO SOL
EU PARTI DO EXTREMO TRAMPOLIM
ENCONTREI NO CASTELO DE GRAYSKULL,
O ESQUECIDO PODER
QUE NUM CANTO DO ATLANTICO,
ESPERAVA POR MIM

E PELOS PODERES DE GRAYSKULL
NAVEGANDO EM CALHETAS DE AMOR

E DAQUI DO ALTO, COMO ESPAÇONAVE
SOU AVE NO ESPAÇO,
EU TOCO O CÉU COM A MÃO
SOU PEIXE, SOU PÁSSARO,
SÃO JORGE RELAX ACENDENDO O
SEU BACK NO FOGO DO DRAGÃO
NETUNO POWER FLEX, BEBENDO AGUA DOÇE,
DA CHUVA QUE BROTOU NOS SEIOS DE YEMANJÁ
SOU SALOMÃO SOU MOLEQUE,
ÍCARO HI-TEC ASAS SUPERBOND,
JAMES BOND COM LICENÇA PRA AMAR.

E PELOS PODERES DE GRAYSKULL
NAVEGANDO EM CALHETAS DE AMOR